Amigas da Cultura
  • VISITA MORARMAIS

  • ANIVERSÁRIO AMIGAS DA CULTURA

  • NOVA DIRETORIA DA ASSOCIAÇÃO AMIGAS DA CULTURA



Histórico

foto-anita-uxa   foto-lilly-kraft   foto-maria-schreiber

A Associação Amigas da Cultura uma entidade cultural, feminina surgiu de forma informal em 1953, por iniciativa de 3 mulheres de origem européia – Lilly Kraft pianista, de origem romena, Maria Schreiber zoóloga e Anita Sulenti Uxa, ambas italianas – que vieram para Belo Horizonte, na conjuntura da 2ª Grande Guerra.

O relativo isolamento dessas mulheres decorrente das diferenças de língua e hábitos sociais, a saudade da terra de origem e das atividades sócios-culturais com os quais estavam habituadas, o interesse em conhecer melhor a realidade sócio-cultural brasileira, forma entre outros, os fatores que as levaram a propor a criação de um grupo de mulheres interessadas em cultura, arte e literatura que, realizariam regularmente eventos diversos como palestras, recitais musicais, exposições de arte e similares. Através dessas atividades elas poderiam conhecer melhor a realidade sócio-cultural brasileira e proporcionar às mulheres mineiras melhor conhecimento sobre a realidade européia.

A proposta teve pronta adesão de 28 mulheres da Associação belo-horizontina e em 28/09/1953 foi formado o grupo Amigas da Cultura o qual, através do trabalho voluntário e informal passou a realizar eventos culturais diversos, na residência das associadas. Anualmente, no mês de outubro elas realizavam um único evento artístico público, em prol de entidades educacionais beneficentes, voltadas à criança.

Devido ao sucesso das atividades realizadas e ao crescente interesse das pessoas em participar do grupo, este deixou gradualmente, a fase de informalidade. A partir de 1957, o grupo passou a ter uma diretoria eleita e a realizar as reuniões e eventos no Automóvel Clube de Minas Gerais. Desde 13/09/1961 com o registro do estatuto, passou a denominar-se formalmente, Associação Amigas da Cultura uma entidade cultural, civil, sem fins lucrativos, que em dezembro/1962 foi reconhecida como Entidade de Utilidade Pública Estadual e em junho /1969 como Entidade de Utilidade Pública Municipal. Além disso, contando com o apoio do Governo mineiro adquiriu a sala para sua 1ª sede no centro da cidade, em novembro de 1963. Em 1975 a sede foi transferida para um imóvel na rua Araguari (Barro Preto) e desde 1980, ela está localizada na Av. Prudente de Morais, 621/803, na zona sul da capital.

Durante essas 5 décadas de atividades culturais e artísticas contínuas, a Associação Amigas da Cultura naturalmente, cresceu. Assim o pequeno grupo de 31 mulheres que constituiu o núcleo inicial das Amigas da Cultura aumentou para cerca de 100 associadas em 1961 e para 150 em 1963. Atualmente, com cerca de 180 associadas, a entidade continua a realizar regularmente suas atividades.
A liderança da Associação Amigas da Cultura foi exercida ao longo dos anos por 12 mulheres – Anita Uxa, Rhea Sylvia Mourão Hollo, Ciana Gonzaga, Lúcia Sampaio Flores, Mariana Sabino, Anna Amélia Faria, Priscila Euler Freire, Lea Pimenta, Sara Ávila de Oliveira, Dilma Berutti , Maria Letícia Nelson de Senna e Terezinha Vargas de Oliveira Penna que apresentam algumas características básicas: iniciativa, dinamismo, determinação, muito amor pela cultura e arte e dedicação à Associação Amigas da Cultura.

Em vista da atuação dessas mulheres e suas companheiras de diretoria, a colaboração dos vários segmentos culturais e artísticos mineiros, o apoio de pessoas e entidades privadas e públicas, as Amigas da Cultura conseguiram, ao longo dos anos, promover dezenas de palestras e conferências, exposições de artes, recitais musicais, cursos de arte e cultura, apresentações de dança e teatro, viagens culturais para Minas Gerais, pelo país e ao exterior além de premiar e conceder regularmente bolsas de estudos a jovens artistas promissores. Sendo que entre os eventos alguns se destacaram pelo pioneirismo e se distinguiram na história da entidade e na vida cultural mineira.

• Palestra de Anita Uxa sobre “Linhas do passado na moda atual”, no Automóvel Clube de MG.
• Desfile de modelos vivos e apresentação de figurinos em “guache” feitos pelos alunos da Escola de Belas Artes (1957).
• Première de Gala da peça teatral “Crime na Catedral” de T.S. Elliot pelo Teatro Experimental. Direção G. Marzano. Loca: Instituto de Educação (1957).
• Première de “Pluft, o fantasminha! de Maria Clara Machado pelo Teatro Experimental (1957).
• Apresentação do Programa Cultural das Amigas da Cultura na TV Itacolomi (1960).
• “Semana da Arte” no Museu de Arte de Belo Horizonte: balé, teatro, música e artes plásticas foram premiados (1960).
• Curso sobre “Evolução de Arte no Brasil” com Silvio Vasconcellos, Cláudio Bardi, Edson Mota, Edson Carneiro, Paulo Afonso Carvalho, Anna Amélia Carneiro de Mendonça, Lúcia Machado de Almeida, Mário Silésio, Júlio Senna, Marques do Santos (1962).
• Exposição de Móveis Antigos” na Reitoria da UMG. Colaboração de colecionadores particulares. 3000 visitantes em 16 dias (1963).
• Campanha pela eleição de Henriqueta Lisboa para Academia Mineira de Letras. 1ª mulher a chegar a uma academia e com apoio de uma entidade feminina (1963).
• Produção da peça teatral “As Mulheres” de Clare Booth. Participação de 35 mulheres selecionadas pela Associação Amigas da Cultura para montagem da peça. Direção: Dulcina de Moraes. Inauguração do Teatro Marília em 12/12/1964.
• Peça teatral “8 Mulheres” de Robert Thomaz. Direção de Dulcina Moraes. Teatro Marília. Elenco: Priscila Freire, Terezinha Soares, Jane Soares, Marília Salgado, Hilda Fernal Cascão, Elza Guimarães, Arlete de Oliveira e Dulcina de Moraes. (1965)
• Exposição de Jóias e esculturas de Domenico Calabrone. Local: Automóvel Clube de MG (1967)
• Produção da peça teatral “Seis personagens a procura de um autor” de Pirandello em homenagem ao centenário de nascimento do autor. Direção: Haydee Bittencourt. Teatro Marília. (1967)
• Seminário sobre “Comics” com Álvaro de Moya, Ruy Flores Lopes e Frederico Morais. Escola de Arquitetura. Exposição de Comics originais de Álvaro de Moya e exposição de histórias em quadrinhos inspiradas nos “comics” originais. (1967).
• Campanha pela “Casa da Cultura” da Associação Amigas da Cultura. Local para sede, teatro de bolso, biblioteca, escola laboratório para formção de crianças e adolescentes, espaço para exposições de arte plástica. Projeto de Giovana Borioni. Apoio de políticos, artistas como Vinícius de Moraes e profissionais como cirurgião Ivo Pitangui. (1968-1970)
• Apresentação de Vinícius de Morais em prol da Casa da Cultura (1969).
• 1º Festival de Cinema Brasileiro em Belo Horizonte. Associação Amigas da Cultura cria júri paralelo de 13 membros e premia o filme “Bravo Guerreiro” de Gustavo Dahal e como melhor ator Flávio Migliacio (1968).
• Inauguração da Biblioteca “Lúcia Machado de Almeida” da Associação Amigas da Cultura – 21/03/1969.
• Doação da Associação Amigas da Cultura de 102 obras de artistas plásticos mineiros e não mineiros para o museu da UFMG, a ser fundado (1970)
• Promoção do recital do violonista Turíbio dos Santos com apresentação exclusiva em Belo Horizonte (1969)
• Curso sobre “Estruturalismo” com a colaboração de professores da PUC e UFMG. 14 palestras de professores de MG, RJ, SP. Considerado, o mais completo curso sobre o assunto já realizado no país. (1970)
• 1ª apresentação no Brasil das peças “O futuro está em nós” e “Jacques ou a Sublimação”. De E. Ionesco. Teatro da Imprensa Oficial (1970).
• Campanha da Associação Amigas da Cultura para implantação do Museu de Arte Sacra de Belo Horizonte. Formação do acervo da Arte Sacra da Associação Amigas da Cultura para doação ao futuro museu. (1971-1975)
• Exposição “Arte Mural – Caribe”. Palácio das Artes (1972)
• Exposição “Arte Antiga em Coleção Mineira”. Palácio das Artes. Colaboração de colecionadores particulares. (1973)
• Curso de arte “Apreciação da Arte” com Maria Helena Andrés, Sara Ávila, Yara Tupynambá, Morgan da Motta (1975).
• Curso de “Literatura Nova” com Roberto Drumonnd, Osvaldo França Jr, Benedito Barreto e Murilo Rubião. Local: Associação Médica (1976)
• “Concurso Nacional de Poesia”. Associação Amigas da Cultura/Banco Bandeirantes. O prêmio foi o maior para letras, até então concedido. 455 participantes de todo o Brasil (1976).
• Exposição “Atualidade Panorâmica da Arte Brasileira”. Com artistas que antecederam a Semana da Arte Moderna até 1976: Lasar Sejall, Anita Mafaldi, Vicente Rego Monteiro, Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti, Portinari, Pancetti, Guignard, Djanira, Scliar e muitos outros. (1976)
• Exposição “Ouro de Peru”. 300 peças do período pré incaico. Marcou a abertura do Jubileu de Prata da Associação Amigas da Cultura. Para essa mostra as Amigas da Cultura conseguiram o patrocínio de 70 firmas, entre os quais 37 bancos. Palácio das Artes (dezembro/1977)
• Exposição “Prataria Luso-Brasileira”. Palácio das Artes. Associação Amigas da Cultura em conjunto com o Consulado de Portugal (1978)
• Doação da escultura de Amilcar de Castro para a cidade de Belo Horizonte. Local: Praça Alaska (1981)
• 1º Debate dos Candidatos ao Governo de Minas Gerais sobre política cultural (1982).
• Prêmio Associação Amigas da Cultura – Monografia “Minas Mulher”. Vencedora: Jornalista Lelia Vidal Gomes da Gama (1982)
• Exposição “Guignard – Exposição Documental Comemorativa. 20º Aniversário de sua Morte”. Palácio das Artes (1983)
• “As Garotas do Alceu”. Exposição. Palácio das Artes (1983)
• Lançamento do livro “Fernando Bujones e sua Arte”. Palácio das Artes. Apresentação de Fernando Bujones com a 1ª bailarina do Palácio das Artes (1984).
• Ciclo de conferências “Princípios básicos da Arte” com Marilene Martins, Sara Ávila e Marco Elísio Paiva, José Tavares, Pedro Paula Cava, Bartholomeu Campos Queiroz e Ruth Silviano Brandão, Carlos Eduardo Prates. Auditório Júlio Soares. (1985)
• “Projeto Portinari” – apresentação por João Cândido Portinari – (1985).
• Palestra “Antárdida ao alcance de todos” pela Dra. Judith Cortesão – médica, bióloga, antropóloga. Auditório do BDMG (1985)
• “I Bienal do Livro Belo Horizonte”. Palácio das Artes. Promovida pela Fundação Clóvis Salgado, Câmara Mineira do Livro, FIAT, Secretaria do Estado da Cultura e Associação Amigas da Cultura. (1986)
• “Ciclo de palestras: Contemporaneidade de D. Quixote” – Prof Sônia Viegas Andrade (1986)
• Criação do Clube do Livro da Associação Amigas da Cultura (1987)
• Oficina Literária sob coordenação do Professor Bartholomeu Campos Queiroz. (1987)
• “Exposição de jóias e quadros dos artistas Nipo-brasileiros”. Comemoração dos 80 anos da imigração japonesa no Brasil. Palácio das Artes. (1988)
• Criação do Clube Cinema. (1989)
• Exposição “Objetos de Fé – Oratórios” – Coleção Ângela Gutierrez. Promoção da Associação Amigas da Cultura em benefício das obras de restauração da Igreja de Santa Luzia. (1990)
• Exposição “Traje: um objeto de arte?”. Com palestra “Wearable Art” proferida por Liane Bloise, Andréa Kraemer e Cláudio Brandão. Palácio das Artes (1990).
• Debate com Candidatos ao Governo de Minas Gerais (1994)
• Viagem cultural a Cuba (1995)
• Inauguração dos Retratos das fundadoras da Associação Amigas da Cultura – Maria Schreiber, Lilly Kraft e Anita Uxa na sede da entidade. (03/1996)
• Concurso “Belo Horizonte conta História”. Vencedora a obra “A Cidade e a Serra” de Maria de Lourdes Rabello Villares. (1998)
• Jornada Cultural da Associação Amigas da Cultura nos Estados Unidos. Visita a 12 museus (1998)
• Lançamento do livro “A Cidade e a Serra” da escritora Maria de Lourdes Rabelo Vilhena, ilustrado por Mário Vale (2000).
• Transferência, em regime de comodato, do acervo de Arte Sacra da Associação Amigas da Cultura para o museu Mineiro (2002)
• Prêmio Associação Amigas da Cultura de Desenho Contemporâneo para os alunas da Escola de Belas Artes (UFMG) e Escola Guignard (UEMG). (2002)
• Seguindo o lema do cinqüentenário da Associação Amigas da Cultura “Memória e Presença Hoje”, foram realizados a partir de novembro de 2002, os seguintes eventos:
• Desfile de moda e jóias realçando a importância da moda como uma manifestação cultural. Participação de Ugo Castellana (SP), Eduardo Suppes (BH), Talento Jóias (BH) e exposição do trabalho de Lenice Bismarcker (BH) – 2002.
• Balé “Sonho de uma Noite de Verão” de W. Shakespeare – dirigido por Gabriel Vilella. Espetáculo e dança oferecido pelo fundação Clóvis Salgado à Associação Amigas da Cultura pelo seu cinqüentenário e também comemorativo dos 30 anos da Cia. de Dança da Fundação (2002).
• Lançamento do Cartão Telemar comemorativo do cinqüentenário da Associação Amigas da Cultura (2003).
• Exposição “Mulheres” com obras de artistas plásticas de várias tendências: Cláudia Renault, Fani Bracher, Fátima Pena, Isaura Pena, Liliane Dardot, Maria Helena Andrés, Maria José Fonseca, Marília Giannetti, Marinella Uxa, Marisa Trancoso, Pietrina Checcacci, Sara Ávila, Valdelice Neves, Virginia de Paula e Yara Tupynambá (2003).
• Concerto de Pianista Berenice Menegale. Comemoração dos 50 anos da Associação Amigas da Cultura e 40anos da Fundação de Educação Artística de Minas Gerais, com homenagem a Lilly Kraft, sócia fundadora da Associação Amigas da Cultura (2003).